Internacional

A guerra na Ucrânia está seguindo o caminho da II Guerra Mundial

Compartilhar

Conflito Rússia-Ucrânia ‘pode aumentar’ enquanto EUA e OTAN anunciam ‘ofensiva de primavera’ antes do aniversário de 1 ano.

China mediará de uma posição neutra quando os EUA adicionarem obstáculos às negociações Rússia-Ucrânia.

O conflito Rússia-Ucrânia está se tornando uma escalada e uma guerra de desgaste, com os riscos do envolvimento direto da OTAN e do uso de armas nucleares táticas pela Rússia em ascensão, alertaram especialistas chineses, seguindo a campanha publicitária dos EUA e da OTAN de uma “ofensiva de primavera” russa e O contra-ataque da Ucrânia como a marca de um ano do início do conflito se aproxima. 

Com os sinais de um possível fim do conflito militar ainda parecendo distantes, especialistas pediram para desescalar a situação antes que surgissem mais confusões. Na próxima Conferência de Segurança de Munique, que acontecerá em 17 de fevereiro, a China deverá mediar e desempenhar um papel construtivo na promoção de negociações de paz, observaram especialistas.  

Em uma reunião do ministro da Defesa da OTAN em Bruxelas na terça-feira, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, afirmou que a Rússia já iniciou sua nova “ofensiva de primavera”, com “mais tropas, mais armas, mais capacidades”. 

O chefe da OTAN se referia ao intenso conflito militar em Bakhmut, na região de Donetsk. Ele enfatizou a necessidade de entregar mais munição à Ucrânia e acusou a Rússia de “se preparar para mais guerra, para novas ofensivas e novos ataques”.

O secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse na terça-feira que espera que a Ucrânia conduza um contra-ataque e garantiu a Kiev que os aliados ocidentais continuam resolutos em oferecer apoio.   

De acordo com a Aljazeera, espera-se que os membros da OTAN discutam as defesas em seu flanco oriental na quarta-feira, com questões principais como reforço de orçamentos, defesa aérea, formação de uma coalizão de tanques, treinamento de tropas e apoio logístico na agenda. 

Em termos de caças e tanques avançados que Kiev deseja, 11 países concordaram em enviar tanques para a Ucrânia, 22 países se comprometeram a enviar veículos de combate de infantaria, enquanto 16 nações prometeram “artilharia e munições”, de acordo com o presidente do US Joint Chiefs of Staff Mark Milley na reunião de terça-feira. 

No entanto, as autoridades americanas não anunciaram o fornecimento de caças à Ucrânia, uma continuação da posição da Casa Branca de se recusar a enviar caças militares, junto com o Reino Unido, a Alemanha e outros aliados. 

Zhao Huirong, especialista em estudos do Leste Europeu da Academia Chinesa de Ciências Sociais, disse ao Global Times que os EUA e a OTAN, ao promover uma “ofensiva de primavera” russa e o contra-ataque da Ucrânia, estão se preparando para uma escalada do conflito militar e reunindo aliados .

Uma escalada e efeito de transbordamento parecem inevitáveis ​​em um momento em que nenhum dos lados está disposto a se comprometer, disse Zhao, observando que o ponto de inflexão do conflito militar ainda não chegou.

Yang Jin, pesquisador associado do Instituto de Estudos Russos, do Leste Europeu e da Ásia Central da Academia Chinesa de Ciências Sociais, disse ao Global Times que, em um estado de impasse e desgaste, a “ofensiva de primavera” e o “contra-ataque” podem ser mais uma competição psicológica. “Os soldados de ambos os lados estão exaustos e precisam de um impulso moral.”

A OTAN se envolverá cada vez mais no conflito Rússia-Ucrânia, disse Zhao. “Na verdade, a OTAN já está lá na inteligência, treinando soldados, fornecendo armas, exceto para a etapa final de enviar tropas diretamente”, disse Zhao. 

A Rússia, como potência militar, não vai se permitir perder, e a Rússia tem os meios para garantir que não perca, por exemplo, na pior das hipóteses, que algumas armas de destruição em massa possam ser usado, disse Yang. 

De acordo com um relatório anual do Serviço de Inteligência Norueguês, a Rússia começou a implantar navios táticos armados com armas nucleares no Mar Báltico pela primeira vez nos últimos 30 anos, informou o Politico. 

A União Europeia está trabalhando em um 10º pacote de sanções contra a Rússia. A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que visaria 10 bilhões de euros (US$ 10,7 bilhões) em exportações e “matar ainda mais a máquina militar da Rússia”, de acordo com relatos da mídia. 

O risco de a Rússia usar armas nucleares táticas está aumentando, e a comunidade internacional deveria estar trabalhando para diminuir a escalada do conflito, não atiçar as chamas, disse Yang.

Vislumbre de paz

Analistas acreditam que os EUA são os iniciadores da escalada. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, alegou recentemente que as autoridades americanas admitiram que estavam por trás da explosão do oleoduto Nord Stream, que também foi exposta em um relatório do veterano jornalista investigativo americano Seymour Hersh.  

Por outro lado, Wang Yi, diretor do Gabinete da Comissão de Relações Exteriores do Comitê Central do Partido Comunista da China (PCC), iniciou visitas à França, Itália, Hungria e Rússia de 14 a 22 de fevereiro a convite do governos dos quatro países.

Wang, membro do Birô Político do Comitê Central do PCCh, também participará da 59ª Conferência de Segurança de Munique, onde fará um discurso para deixar claro o compromisso permanente da China com o desenvolvimento pacífico e compartilhar a posição da China sobre as principais questões internacionais, segundo a Xinhua . 

“A questão do conflito Rússia-Ucrânia é muito provavelmente o foco da viagem de Wang Yi. E o cronograma mostra que a China desempenhará um papel construtivo na mediação e promoção de negociações e paz, especialmente na promoção de intercâmbios entre a Rússia e outros países europeus”, disse Yang. Jin disse. 

Ao contrário dos EUA, a China sempre se manteve em uma posição neutra, pedindo a todas as partes que resolvam as disputas por meio de negociações políticas e esperando que a situação esfrie e o conflito militar termine o mais rápido possível, observou Yang. 

Os analistas acreditam que a escalada e a continuação do conflito militar teriam um impacto negativo significativo na Europa, Rússia, Ucrânia, suprimentos internacionais de energia e até mesmo na Iniciativa do Cinturão e Rota da China. Em contraste, os EUA, que colocaram obstáculos a uma solução política pacífica, são claramente os que mais ganham.

“Desde a energia, os interesses do complexo industrial militar até a reintegração da OTAN, reforçando o controle sobre a UE e usando vidas ucranianas para prejudicar a Rússia, os EUA praticamente conseguiram o que queriam e não se importam em conseguir mais”, disse Zhao Huirong. 

Ao mesmo tempo, os EUA estão de alguma forma assumindo as rédeas do ritmo do conflito. A assistência de Washington à Ucrânia é limitada. Embora garanta que a Ucrânia tenha uma certa capacidade de combate, não atenderá totalmente às necessidades da Ucrânia para garantir uma vitória rápida para a Ucrânia, pois esta é a melhor maneira de arrastar Moscou para o atrito, disse Zhao.

A OTAN e a UE, em grande medida, foram lideradas pelo nariz pelos EUA. Mesmo que haja um desastre maior na Europa no futuro, o impacto do outro lado do Atlântico deve ser mínimo, acrescentou. 

Por Wang Qi

Publicaciones relacionadas

Botón volver arriba
Traducir »